6 days in Morocco

Morocco is a very different country for what I am used to, but surprisingly beautiful.
We landed in Marrakech airport where it took us 1h30min to have our passports scanned at the border. Get ready to wait, airports in Morocco work in a very different way, where you have to get your bags scanned at the airport entrance and also when you leave the airport. You don’t need a visa to visit the country, you just need a passport valid for at least 6 months.

Here are some useful tips:

– Please respect and dress accordingly, especially if you are a woman. Cover shoulders and knees.
– Almost everyone understands french, so if you speak the language you’re ok.
– Avoid walking in the Medina at a late time, some Souks close (some actually have doors) and it makes it difficult to reach some streets.
– Roaming is very expensive in Morocco, so buy a SIM card at the airport or at the city centre. I recomend Maroc Telecom, which costs around 10€ for 4gb of data. Directions on Google Maps don’t work inside the Medina and it is easier if you download the map so you can use it offline.
– Some shop owners get very upset if you photograph their stands, so be quick when taking pictures.
– There are still some false guides offering help with directions or recommendations for shops and restaurants (from which they get commission). Just be firm when declining their help. If you are lost, it’s better to ask to the nearest shop owner.
– Pay attention to ATM’s in the streets as there are frequently card cloning devices set up on them. One person I know got her credit card cloned at one ATM in Marrakech, so always check your bank account. The currency is dirhams (DHS) and I used Monzo all the time to pay and also to withdraw money. Revolut or N26 are some alternatives for those not living in the UK. Anyway, it’s always better to have some cash on you, especially some change.
– Moroccan oranges are the best, so do yourself a favour a drink a lot of freshly squeezed orange juice.

Some people keep asking me if Morocco is a safe country. Well, I am not going to lie and I will say that at the beginning I didn’t feel very comfortable, and I’ll explain you why: it’s one of those places where you have to put your backpack to the front at all times as there are some pickpockets. If you have a very good camera or phone, people will stare at it. Also everyone tries to get money from you, like taxi drivers or false guides. If you are a woman, especially with light skin and hair, you are going to get some “looks” and bugging (“oh nice hair” or “nice legs”), you can also be traded by some stupid amount of camels and, to be honest, I felt quite uncomfortable with that. Besides all this, I felt safe and I found very nice and polite Moroccan people along my journey.

Marrakech is a city full of colour, scents and tastes. Get lost in the Souks and you will see what I mean…

We stayed right in the centre of the Medina, on one of the most instagrammed Riad’s: Le Riad Yasmine. And you might be asking yourself “what’s a Riad?”… The word Riad refers to traditional Moroccan houses or palaces with an interior garden or courtyard. They are usually guest homes with few bedrooms.
I’ve been following their instagram for a long time and I always dreamt about staying with them. Alice and Gabriel, the owners, are a young french couple that are very friendly with all their guests. The rooms are spacious, the swimming pool is cute and the terrace is amazing to catch some sun. Breakfast is very good and somehow changes everyday. We stayed in another Riad’s but this one was purely magical. They are always full, as they just have 8 bedrooms, so if you want to stay with them you need to book in advance. The room rates are usually around 90€ per night.

There are also some other Riad’s that I can advise: Riad Jardin Secret, Riad BE Marrakech, Riad Shukran, Riad Dar Nimbus and Riad Edward. I really think that you should try a Riad at least once so you can get the full Moroccan experience. They can be a bit more expensive that hotels, but it’s totally worth it!

My favourite things to do in Marrakech

– Jardin Majorelle and Yves Saint Laurent Museum. This was definitely my favourite place in the city. It’s full of beautiful cactus and the famous blue Majorelle is incredible! To avoid queues and crowds, be sure you get there early.

– Jemma el-Fnaa. In this market square you can find food, snake charmers, chained monkeys (and some other exploited animals unfortunately), dentists (ah!), storytellers, musicians and performers. Don’t stare too much at the snakes or monkeys, as the owner will bring them to you and ask you for some money. At night, the food stalls come out and it’s a nice place to have dinner.

– Le Jardin Secret, a place where you can relax and escape from the chaos of the Medina and have a nice meal.

– Photography Museum of Marrakech, where you can find incredible old Moroccan photographs and enjoy the nice rooftop cafe.
– Bahia Palace, where you can find magnificent tiles.

– El Badi Palace, which is a ruined palace, but worth visiting.
– Visit the amazing La Mamounia hotel, if you can’t afford to stay the night.
– Ben Youssef Madrasa, which was an Islamic college. Unfortunately it is closed for renovation works until 2020.
– Get lost in the Souks. The best one to find saffron and spices is in the Mellah (Jewish quarter), near Bahia Palace, Avenue Haumann el Fetouaki/Rue Imam el Rhezoli. My favourite Souks are Souk Haddadine (lamps and lanterns), Souk Belaarif, Souk Cherratine (leather, artworks and handicraft), Souk Kchacha (dates, fruits and olives) and Souk Semmarine (shoes).

– If you have time, take a trip to to desert, Ait Ben Haddou (where they filmed various movies, including Game of Thrones), Atlas Mountains or Ouzoud waterfalls. I wouldn’t get a tour that has been sold on the street, as they are not trustworthy, the best is to ask the hotel or riad where you are staying. If you don’t want to go on a tour, you can also rent a car (search on AutoEurope or try this local car rental company called MedLoc Maroc). About desert camping, I definitely recommend the Scarabeo Camp. I had some friends having some bad experiences in other camps, like sleeping with the same blanket you used to ride a camel or the toilet being a hole in the sand. Bare in mind that to get to the desert there are just two options: to ride a camel or a quad bike.

Where to eat

– Your Riad. Usually Riad’s have very nice Moroccan food.
– Nomad.
– Chez Yassine, if you are tired of Moroccan food and fancy a pasta or pizza. Very cheap and good!
– I Limoni.
– Zwin Zwin Cafe.
– Henna Cafe.

After 3 days around Marrakech, we took a Supratours bus to Essaouira, which costs 70 dhs per person. The buses are really comfortable and the tickets are cheap, although you should buy it the day before to avoid waiting for the next bus, which happened to us. The journey takes around 3 hours.

Essaouira, Morocco’s windy city, is a hidden gem! We stayed at Hotel Villa Quieta for two nights, just next to the beach. The city is very calm and the Medina is much more smaller than the one in Marrakech and it’s easier to walk around. I really wanted to escape from the chaos of Marrakech and Essaouira was perfect for that.

Things to do

– Explore the Medina. It’s a small Medina, which means you can explore it without the fear of getting lost. I really enjoyed the peace and the tons of blue of this place!

– Visit the fish market and the harbour, where you can find the typical blue boats.

– Enjoy lovely sunsets by the beach.

– Climb the city walls and Skala du Port, where you can get that famous view of the city walls.

Where to eat

– The Loft, my favourite, with incredible flavours.
– Zahra’s Grill, which as a spanish chef and he definitely knows how to prepare fish.
– Restaurant du Coeur.
– If you seek fresh grilled fish, there are some nice stands near the port.

It feels like there’s still so much to discover in this two amazing places… I hope to come back to explore it with more time go I can get to know it better.

With love,
Mafalda Sousa

__________________________________

Agora em português…

Marrocos é um país completamente diferente dos que estou habituada a visitar, mas mesmo assim é surpreendentemente bonito.

Aterramos no aeroporto de Marraquexe onde tivemos de esperar 1h30min para passarmos a fronteira e termos os nossos passaportes revistos.

Tens de ter muita paciência, pois os aeroportos em Marrocos funcionam de uma maneira muito diferente (e lenta), onde tens as tuas malas revistadas pelos raios-x antes de entrares e depois para saíres do aeroporto. Não é preciso visto para entrar no país, só é preciso ter o passaporte válido pelo menos durante 6 meses após entrada no país.

Algumas dicas úteis:

– Por favor respeita e veste-te conforme a cultura, especialmente se fores mulher. Não mostres os ombros nem os joelhos.
– Quase toda a gente fala francês, por isso estás safo se falares a Língua.
– Evita andar pela Medina em horas tardias, pois alguns Souks (ruas estreitas de comércio) fecham (alguns têm mesmo portões) e fica difícil chegar a algumas ruas.
– Roaming em Marrocos é muito caro, por isso é aconselhável arranjar um cartão SIM (recomendo a Maroc Telecom, que custa cerca de 10€ por 4Gb de internet) no aeroporto ou numa loja no centro. As direcções no Google Maps não funcionam dentro da Medina e é recomendável fazer download do mapa para utilizar offline.
– Alguns comerciantes ficam muito chateados se fotografares as suas bancas, por isso sê rápido a tirar fotografias.
– Ainda existem guias turísticos falsos que se oferecem para te ajudar com direcções ou recomendações de lojas e restaurantes (de onde eles ganham uma comissão). Mantem-te firme quando negares a sua ajuda. Se estiveres perdido, é melhor pedir informações ao comerciante mais perto de ti.
– Cuidado com as caixas de multibanco em Marrocos, pois é comum existirem dispositivos para clonar cartões. Uma pessoa que conheço teve o seu cartão de crédito clonado numa caixa de multibanco em Marrakech, por isso está atento à tua conta bancária. A moeda nacional são os dirhams (dhs) e eu usei o cartão do Monzo para pagar e levantar dinheiro. O cartão do Revolut ou do N26 são uma boa alternativa para quem não reside no UK. É sempre mais seguro andar com dinheiro na carteira, principalmente com alguns trocos.
– As laranjas marroquinas são óptimas, por isso faz um favor a ti mesmo e bebe muito sumo de laranja natural.

Algumas pessoas perguntaram-me se achei Marrocos um país seguro. Bem, não vou mentir e admito que no princípio não me senti muito à vontade e vou explicar porquê: é um daqueles sítios onde temos de usar a mochila para a frente por causa dos carteiristas. Se tiveres uma boa máquina fotográfica ou telemóvel, toda a gente vai ficar a olhar. Para além disso, toda a gente te tenta cobrar dinheiro a mais, como taxistas e guias turísticos. Se fores mulher, principalmente com pele e cabelo claros, vais levar com alguns “piropos” (tipo “belo cabelo” ou “belas pernas”), e até podem oferecer uma quantidade absurda de camelos por ti, e sinceramente eu senti-me muito desconfortável com esta situação. No entanto, sempre me senti segura pelas ruas e encontrei muitos Marroquinos simpáticos pelo caminho.

Marraquexe é uma cidade cheia de cor, aroma e sabores. Perde-te nos Souks e vais perceber o que eu quero dizer com isto…

Ficámos alojados mesmo no meio da Medina, num dos Riad’s mais “instragammados”: Le Riad Yasmine. E agora aposto que te estás a perguntar “o que raio é um Riad?”… A palavra Riad significa uma casa/palácio tradicional Marroquino com um jardim interior ou pátio. Geralmente são casas de hóspedes com poucos quartos. Já seguia o seu instagram há algum tempo e sempre quis muito lá ficar por algumas noites. Os donos, Alice e Gabriel, são um jovem casal francês muito simpaticos para com os seus hóspedes. Os quartos são espaçosos, a piscina é muito fofa e o terraço é espectacular para apanhar sol. O pequeno-almoço é muito completo e o menu altera-se todos os dias. Ficámos noutros Riad’s mas este foi, sem dúvida, o melhor. Estão sempre lotados, pois só têm 8 quartos, por isso se quiseres lá ficar tens de reservar com alguma antecedência. O preço por noite por quarto ronda os 90€.

Existem outros Riad’s que posso recomendar: Riad Jardin Secret, Riad BE Marrakech, Riad Shukran, Riad Dar Nimbus and Riad Edward. Sem dúvida que se deve de experimentar um Riad pelo menos uma vez, para que se possa ter a experiência completa de Marrocos. Podem ser um pouco mais caros que os hotéis, mas valem mesmo a pena!

As minhas coisas favoritas para se fazer em Marraquexe

– Visitar o Jardin Majorelle e o Museu Yves Saint Laurent. Estes dois locais foram os meus favoritos na cidade. Existem imensos cactos lindíssimos e o famoso azul Majorelle e incrível! Para evitar filas e muitas pessoas, mais vale ir logo no início do horário de abertura.
– Praça Jemma el-Fnaa. Nesta praça, podes encontrar comida, encantadores de cobras, macacos acorrentados (e outros animais explorados infelizmente), dentistas (ah!), contadores de histórias antigas, mágicos e músicos. Não olhes muito directamente para as cobras ou macacos ou vais tê-los muito rapidamente aos ombros sem pedires e ainda te vão cobrar dinheiro por este serviço não solicitado. À noite, este local transforma-se numa espécie de praça de restauração com imensas bancas onde se pode jantar.
– Le Jardin Secret, um local onde se pode relaxar e fugir da confusão da Medina e onde se pode comer uma boa refeição. Os marroquinos fazem das melhores sandes de sempre!
– Museu da Fotografia de Marraquexe, onde se pode ver fotografias antigas incríveis de Marrocos e aproveitar o bar no terraço.
– Palácio Bahia, onde se pode encontrar fabulosos e coloridos mosaicos de azulejos.
– Palácio Badi, o palácio em ruínas, que vale muito a pena visitar.
– Se não puderes passar uma noite no hotel La Mamounia, podes sempre visitar este icónico edifício numa visita diária.
– Ben Youssef Madrasa, que era antigamente uma escola Islâmica. Infelizmente está fechada para renovações ate 2020.
– Perde-te nos Souks. O melhor para encontrar bom açafrão e especiarias é no Mellah (bairro Judeu), perto do Palácio Bahia, na Avenue Haumann el Fetouaki/Rue Imam el Rhezoli. Os meus Souks favoritos são o Souk Haddadine (candeeiros e lanternas), o Souk Belaarif, o Souk Cherratine (peles e artesanato), o Souk Kchacha (frutas, tâmaras e azeitonas) e o Souk Semmarine (sapatos).
– Se tiveres tempo, aproveita para ir até ao deserto, ao Ait Ben Haddou (onde se filmaram vários filmes, incluindo Game of Thrones), às Montanhas do Atlas ou até às cascatas do Ouzoud. Eu não iria num tour que me vendessem na rua, porque normalmente paga-se e depois no dia ninguém aparece no suposto ponto de encontro, nisso o melhor é mesmo perguntar por uma tour no hotel ou riad onde se está alojado. Se não quiseres ir numa tour, podes sempre alugar um carro (procura na Auto Europe ou experimenta esta companhia de aluguer local chamada MedLoc Maroc). Sobre acampamentos no deserto, eu recomendo o Scarabeo Camp. Tive alguns amigos que tiveram umas más experiências em acampamentos no deserto, como terem de dormir com a manta que usaram para andar em cima do camelo ou a casa de banho ser um simples buraco na areia. Não te esquecas que a única forma de se chegar ao deserto e através de um camelo ou de uma moto 4.

Onde comer

– No Riad. A comida nos Riad’s costuma ser muito boa e típica.
– Nomad.
– Chez Yassine, se estás farto de comida marroquina. Muito bom e barato!
– I Limoni.
– Zwin Zwin Cafe.
– Henna Cafe.

Depois de 3 dias em Marraquexe, seguimos viagem até Essaouira, num autocarro da Supratours que custa 70 dhs por pessoa. Os autocarros são modernos e muito confortáveis e o preço é muito em conta. No entanto, os bilhetes costumam esgotar facilmente, por isso aconselho a comprar os bilhetes com pelo menos um dia de antecedência. A viagem demora cerca de 3 horas.

Essaouira, a cidade ventosa de Marrocos, foi uma optima surpresa! Ficamos no Hotel Villa Quieta por duas noites, mesmo em frente à praia. A cidade é muito calma e a Medina é muito mais pequena que a de Marraquexe e é bem mais fácil de explorar. Confesso que já estava cansada do caos que é Marraquexe e em Essaouira conseguimos relaxar.

O que fazer em Essaouira

– Explorar a Medina. A Medina é pequena, o que possibilita explorá-la sem nos perdermos. Eu adorei a sensação de paz e seus tons de azul!
– Visitar o mercado do peixe e o porto, onde se pode encontrar os famosos e muito fotogénicos barquinhos azuis de Essaouira.
– Aproveitar o pôr-do-Sol incrível na praia.
– Subir as muralhas e visitar o Skala du Port, de onde se tira a típica fotografia das muralhas de Essaouira.

Onde comer

– The Loft, o meu favorito, com uma mistura de sabores incrível.
– Zahra’s Grill, onde o chef é espanhol e sabe preparar o peixe mesmo bem.
– Restaurant du Coeur.
– Se procuras peixe fresco grelhado, vai até às barraquinhas perto do porto.

Ainda há muito para descobrir em Marraquexe, Essaouira e especialmente em Marrocos… Espero um dia poder regressar com mais tempo para conhecer melhor este país fascinante.

Com amor,
Mafalda Sousa

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *